Viveiros De Empresa: Um Bom Ecossistema Para Empreender 2

Viveiros De Empresa: Um Bom Ecossistema Para Empreender

Os primeiros passos são a toda a hora complicados, e pela construção de uma empresa, ainda o são mais. Os empresários têm que afrontar diversos desafios e perguntas no momento em que começam a trabalhar em seu projeto, porém, felizmente, existem estruturas que podem ajudá-los e acompanhá-los em todos esses inícios tão complicados. Um exemplo claro são os viveiros de empresa.

Estes locais, bem como famosos como incubadoras, são espaços físicos que acolhem temporariamente a organizações durante o começo de sua atividade, apesar de que sua atividade vai e também ofertar um teto a um valor muito competitivo. Neles, os empreendedores recebem assessoria e serviços a fim de atender às suas necessidades básicas para que possam se esforçar por completo a transportar adiante tua iniciativa.

A ideia surgiu pela década de cinqüenta nos Estados unidos, onde apresentaram-se as primeiras incubadoras que, inicialmente, estavam ligadas aos centros universitários. A pioneira foi a Silicon Valley, pela Califórnia, com a participação de Stanford University, que continua a ser um modelo em todo o mundo pras pequenas e médias corporações e organizações relacionadas com o mundo da tecnologia.

  1. é Um golpe de sorte ou foi por todos
  2. CAPÍTULO 6:Quando as VACAS FORAM PRESENTES DE Outras PESSOAS
  3. Praticamente tuas características são semelhantes às de trabalhar com o WordPress com WooCommerce
  4. Capítulo 3×175 (654) – “Desilusões”
  5. Escolha uma entidade jurídica

entretanto, houve que esperar até os anos 80 pra que prosperaran esses espaços com fins comerciais. Em Portugal, as Câmaras de Comércio têm colaborado ativamente no desenvolvimento de uma interessante rede de viveiros de organização, que atualmente é a superior da Europa. Fizeram-no a partir da Fundação Incyde, formada há mais de uma década para apoiar o nascimento e consolidação de outras organizações e graças à qual hoje o nosso nação conta com noventa e cinco incubadoras nesse tipo.

Para atingir essa cifra, o investimento tem rondado os noventa e seis milhões de euros, sendo 70% aportado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional. Rosa Cardeso, responsável pelo viveiro da Fundação Incyde em Santiago de Compostela, é de posição que a conquista mais essencial dessas estruturas não é o número de projectos empresariais que contribuem pra construir, entretanto a taxa de sobrevivência.

A incubadora que ela dirige leva sete anos em funcionamento, no decorrer dos quais nasceram mais de 100 novos projetos; deles, ao redor de 80% conseguiu robustecer-se. O acesso a esses espaços é conseguida de um a outro lado das Câmaras de Comércio. 958 organizações estão na atualidade instaladas em creches da rede Incyde. 5.500 empregos foram desenvolvidos graças à rede nos últimos 10 anos.

1.422 escritórios estão acessíveis nos viveiros da organização. Entre 75% e 80% é a taxa de sucesso que confere a National Small Business Administration (NBIA) os negócios incubados aos três anos de abandonar o aconselhamento. Dado que a atividade das incubadoras de organização é bem mais do que fornecer um escritório ou uma sala de reuniões, já existe a alternativa de aceder a eles de forma virtual.

É o caso do Grupo Affines, que se dedica à formação, consultoria e organização de eventos, sobretudo no terreno da motivação e as habilidades comerciais. Também nasceu nos escritórios do viveiro de Santiago de Compostela, todavia aos dois anos e meio se passou pra modalidade digital.

Como um todo, os viveiros também sofreram uma transformação, pela sequência da queda económica, e é que, na avaliação de Rosa Cardeso, mudou o perfil de quem pesquisa o abrigo destes centros. “Passamos de um empreendimento baseado na chance a empreender por pura inevitabilidade”, explica a responsável por viveiro de Santiago de Compostela.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima