Uma Espanha De "freelances": As Tendências Globais Nos Ensinam o Nosso Futuro Profissional 2

Uma Espanha De “freelances”: As Tendências Globais Nos Ensinam o Nosso Futuro Profissional

Em uma ocorrência de desemprego em modificação, que depende em enorme quantidade da sazonalidade de cada série de detalhes, em Portugal há um outro debate que nos últimos anos tem surgido em torno do emprego no nosso nação: De entre todos os debates, há uma visão ainda mais difundido entre todos os agentes sociais: a nossa economia vai em direção a um paradigma de serviço retornado pros empregos parciais, e os trabalhos por projetos individuais. Cinquenta e três milhões de norte-americanos neste momento trabalham como profissionais por conta própria, o que representa 34% de toda a categoria trabalhadora americana.

os cinquenta e três milhões, 40% (21,1 milhões) trabalham como ‘freelances puros’, quer dizer, como profissionais independentes que repartem o teu emprego entre diferentes projetos pra todo o tipo de compradores e empresas que os contratam. O percentual vai aumentando. Mas a previsão não é aplicável só pros Estados unidos. 1.300 milhões de trabalhadores de todo o mundo no ano de 2015 serão freelances, o que se aplica a nada menos do que o 37,2% da classe trabalhadora a grau mundial.

O acrescentamento não é só alto, mas bem como rápido e com uma subida vertiginosa em apenas 5 anos. Em Portugal a tendência não é muito diferenciado. Adecco, Portugal aumentou em 70 diários, o número de autônomos cadastrados. Quantos freelances há de fato em Portugal? Se vamos aos detalhes oficiais do Ministério de Emprego, veremos que, até hoje, o Brasil conta com 3.119.533 autônomos, uma cifra que vem fortificar o lento (entretanto frequente) desenvolvimento no último ano e meio.

Mas, quantos desses autônomos queremos crer freelances propriamente ditos? O cálculo não é fácil, contudo, grosso jeito, queremos fazer uma estimativa, lendo na sua atividade de serviço. A Enquete de População Ativa (EPA) garante que em nosso estado há por volta de 2,04 milhões de autônomos não empregadores, o que nos daria um número mais próximo do número de freelances.

  • Vinte notas vicinais muito de ZASCA que não têm desperdício
  • Enus Windsor Drop (versão descapotável do Windsor inserido em Dinheiro Sujo Parte 2)
  • um Banco de Talca
  • O FRACASSO ECONÓMICO
  • 5 Da Etapa Final
  • Listar as características do mercado em que você irá criar o teu negócio
  • Estatutos Sociais da Sociedade

Entre os alicerces pra ser autônomo em nosso povo não apenas se estão a fins de empreender ou a desesperada ocorrência económica de um parado. Contudo, a soma de números não é tão claro. O estabelecimento desta taxa plana tem incentivado algumas pessoas a inscrever-se como autônomo, porém assim como serviu de impulso involuntário pra uma figura cada vez mais crescente em nosso nação: a do inexato autônomo.

Por definição, um errado autônomo é o trabalhador que, se bem que esteja cadastrado no DESAFIA-nos, na prática, faz todo o teu serviço para uma única organização. Seja como for, o certo é que os autônomos estão condenados a desistir do emprego no nosso país em duas vertentes.

Por um lado, pela hora de contratar. 99,9% do tecido empresarial em Portugal e criam o 73,4% de todo o emprego existente no nosso nação. Infoempleo e Adecco, algo mais de 90% das recentes ofertas de emprego que vão ao mercado não são requeridas pelas grandes organizações, precisamente, no entanto nas pequenas e médias corporações e micropymes.

Por outro lado, os autônomos são os personagens do novo mercado de serviço também pela hora de executar esats ofertas de emprego. De acordo com um relatório elaborado pelo Centro e ESADE, uma cota muito significativa das algumas ofertas de emprego são lançadas para profissionais autônomos ou freelances. Verdadeiramente, desde o começo da incerteza, em 2008, as empresas têm se multiplicado por 10 as tuas vagas de trabalho para estes profissionais por conta própria.

E quanto aos setores, Como seria de esperar, a liderança absoluta leva web. E isso não tem feito mais que começar. O mesmo relatório assegura que 65% das grandes corporações e 49% das pequenas e médias empresas pensa em ampliar o número de projetos que subcontratarán a profissionais autônomos.

Dá a dominar o seu novo negócio (produtos ou serviços) entre amigos, familiares e a todo aquele que for possível. Uma vez que você tenha decidido o tipo de negócio e você está seguro de se lançar pela aventura, grítalo aos 4 ventos, e faz com que toda gente saiba que você está no negócio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima