Tomàs Cusiné: "Uma Adega Pode Ser Rentável Em Dez Anos" 2

Tomàs Cusiné: “Uma Adega Pode Ser Rentável Em Dez Anos”

É um dos vitivinicultores de referência no mapa viticultor da Catalunha. Eu estava predestinado a ser o encarregado da adega? Foi qualquer coisa casual. Me crie no meio rural, e no momento em que meu pai comprou Castell do Remei me descobri fazendo vinho sem me dar conta. Eu me gerei pela agricultura e na mecânica, e a vinícola descobri o universo da transformação.

Foram anos difíceis, e você começa com consultores, fazendo cursos, visto que eu sou enólogo de vocação. Quando eu comecei, o mercado era mais complexo, era muito dificultoso a exportação. Meu pai, que era muito comercial e muito intuitivo, fazia a conta da velha e rua-se um amplo negócio, porém, logo após, a realidade se impõe.

Qual é essa realidade? Uma adega é como um recuo, em que há que meter muito pra tomar insuficiente, a todo o momento tem que assistir pro comprido tempo, sempre investindo. Até recentemente se gastava muito em adegas. Foi um tanto por notabilidade, ou se comprabas um time de futebol ou uma adega. É um negócio que, bem feito, bem trabalhado, é rentável, e há corporações que tiveram bastante sucesso.

Há algo interessado é que as vinícolas nunca fecham, são transmitidos. Qual o setor passa isto? Aqui é possível perder dinheiro, entretanto, apesar da decadência, não foi fechado e uma adega. É um patrimônio, e trabalhar no universo do vinho é um privilégio. Por que o diz? Qual é o valor acrescentado de seu projeto? Tenho parceiros que estão fora da família, e nos dias de hoje é um projeto pessoal, no qual tenho que refletir no que precisa estar 30 anos, no mínimo no mercado, em razão de hoje você vende e amanhã não.

Para essa finalidade, em Face Nord entrou Xavier Cepero diretor-geral, com o encerramento de que exista uma dupla cabeça pensando. Quando você inicia um projeto o mais elegante é o momento em que o desenvolve, e no momento em que o que há é uma continuidade de imediato não é tão motivador, e isso me diverte.

  • se concentre em domar o seu mercado
  • Como explicaria essa linha de trabalho em que avançam
  • Planos de carreira
  • Capítulo 3×244 (723) – “Proposta Indecente”
  • Tem um gasto de inscrição pro mês de 39€

você Não gosta o que neste momento está consolidado? Quando isto acontece agora é mais chato. O discernimento, a investigação e o desenvolvimento, é o que me mobiliza, por causa de não sabemos nada do vinho. Há muito por descobrir. Como interagem com as proteínas, as leveduras, o discernimento a respeito de como trabalhar sem sulfurosos.

O desenvolvimento em enologia, foi terrível. O interessante é que saímos da terra. Nos anos quarenta, não havia químicos no solo, e carecemos voltar a essa data, a de nossos avós, ainda que isso não possa estar tão claro nos cultivos intensivos e as altas produções.

São princípios da biodinâmica. Acredito nisto, mas não acho que possa ser a solução pro nosso universo. É claro que a ecologia é a rota mais intrigante, todavia o mais considerável é a compreensão. Nós na adega só cozinhar uma vez por ano, e em pesquisa investidos mais de 5 anos para aparecer a certas conclusões. Trata-se de tentativa e defeito. Você se tornou independente da família, comprou a cota de seu irmão, Depende da família, entretanto o correto é que é necessário mais serviço e empenho, é mais difícil de ser interpretado. Eu não tive a sorte de voltar a captar com a minha.

A família costuma ter um comportamento de clã, existe a concorrência, no tempo em que que com o parceiro externo joga a convicção e a amizade. Os parceiros, se invertem, é por causa de crêem em ti, e há uma demonstração de que o pode fazer bem. A família é mais flexível, todavia com os parceiros deve ser muito enérgicos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima