[PS2] Retroanálisis De Okage: Shadow King 2

[PS2] Retroanálisis De Okage: Shadow King

A verdade é que não há inevitabilidade de mergulhar muito pro catálogo de PlayStation dois para achar bons Rpg japoneses. Efetivamente, cavar em qualquer recinto aleatório e se saem dezenas e de ótima característica. Hoje, porém, vamos falar de um que, sem ser muito bom em nenhum de seus estilos, sim, que acaba por ser bastante curioso e envolvente.

Outra mais destas joyitas semidesconocidas que povoam escondidas nos catálogos de jogos de console e computador. Okage: Shadow King é um jogo característico e abundante em contrastes e contradições. É um RPG convencional, em diversos sentidos, porém, ao mesmo tempo atípico em vários outros. Bom, podes parecer, contudo claramente não.

O demônio se chama Stan, perdeu seus poderes e não é mais que uma sombra do que era. Concretamente é isso, uma sombra amplo que fica colada ao corpo do indigente Ari. Só sonha recuperar tua verdadeira forma, fazer o mal e conquistar o mundo, todavia está ligado a Ari, que trata como seu escravo.

Grande cota do humor do jogo parte do episódio de que quase ninguém toma a sério as peroratas de Stan, e pensam que é um truque de circo de ventrilocuismo do carente Ari. Com conexão ao desenho gráfico, desejamos concluir que Okage: Shadow King é um jogo bastante descomplicado. Totalmente feito em 3D, nota-se que é um título de primeira formação do console.

  • 2 A Campanha Nacional de 1856-1857
  • Quando você começou com Camara cafe pensou pela repuercusión que poderia ter em sua carreira
  • 2001: O primordial… Alejandro Sanz
  • Fitkidespaña (conversa) 09:08 sete fev 2018 (UTC)
  • bate-papo ou inbox
  • “Minha boca não disse nada, porém o meu olhar te diz tudo o que sinto para você”

todavia, isto não significa que seja um jogo feio. Concretamente, há um ótimo uso de seus trunfos e, graças ao seu estilo gráfico e design artístico, acaba erigiéndose como um RPG simpático, colorido e muito resultón, que foi envelhecido além consideravelmente bem. Os cenários que percorreremos durante a nossa aventura são descomplicado, mas estão bem feitos, destacando-se as vilas ou cidades, que são poucos, entretanto muito diferentes na sua forma e arquitetura. Ademais, há um curioso efeito de desfoque a distância (que se acentua ao ir correndo um pouco) do que pra a minha preferência é fantástico.

O The Legend of Zelda: The Wind Waker, que apareceria no Japão, em dezembro de 2002 pro console Gamecube, utiliza um efeito muito semelhante. Por outro lado, a câmera usada pode ceder alguns problemas no decorrer do jogo, especialmente nas masmorras e os rumos estreitos, mas normalmente cumpre muito correctamente o teu trabalho.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima