As Raças De Gato Mais Raras Do Mundo — Cribeo 2

As Raças De Gato Mais Raras Do Mundo — Cribeo

Se pensarmos em gatos exóticos, o primeiro que nos vem à cabeça é o Sphynx, o gato sem pêlos. Sofisticado, sofisticado e com ar de mistério, o gato esfinge tem um feitio muito quieto e amigável, é um animal pacífico, ao que não aparecia surpresas. É, aparentemente frágil, entretanto só precisa de diversos cuidados com a sua pele.

Embora careçam de fóvea, alguns machos e fêmeas, durante o dia, têm uma área central (parte da retina que rodeia a fóvea e onde se produz a superior fotorrecepción) rica em cones, apesar de que menos agrupada. Esta área central tem uma alta proporção de bengalas/cones em várias espécies diurnas estudadas, enquanto que os antropóides, ao longo do dia, não têm bastões em sua fóvea.

Outra vez, isso sugere uma menor acuidade visual dos lêmures contra os primatas antropóides. Ademais, a proporção de bengalas/cones varia até já entre espécies diurnas. Como por exemplo, o sifaca localidade oeste de madagáscar (Propithecus verreauxi) e o indri (Indri Indri) têm só alguns cones grandes espalhados ao longo de uma retina predominantemente dominada por bengalas.

  • Um Sinais e sintomas
  • O olho da escuridão
  • 6 Área de lazer canina
  • um Número de espécies por países
  • Bedlington Terrier Fox Terrier de pêlo liso – Irish Soft Coated Wheaten Terrier

Os olhos do lémur-de-cauda-anelada contêm um cone por cada 5 bastões. Por outro lado, os grupos noturnos, como os lêmures mouse e os lêmures anões, têm retina compostas apenas por bengalas. Dado que os cones tornam possível a percepção da cor, o predomínio dos bastões nos olhos dos lêmures sugere que não desenvolveram a visão em cores.

o lêmure mais estudado, o de-cauda-anelada, verificou-se que tem a visão azul-amarelo, mas não tem a competência de distinguir tons vermelhos e verdes. A maior quantidade dos machos e fêmeas possuem a tapetum lucidum, uma camada reflexiva de tecidos no olho de vários animais vertebrados.

Os primatas haplorrinos não têm essa característica, e tua presença se favorece a prática visual dos lêmures. O cruzamento coroideo dos primatas, é o único entre os mamíferos, que é composto de riboflavina de cristal, e a dispersão óptica resultante é o que limita a tua acuidade visual. Embora se considere que o cruzamento está presente em todos os lêmures, parece haver exceções entre o gênero Eulemur, como o lêmure-negro (Eulemur macaco) e o lêmure pardo (Eulemur fulvus), bem como os do gênero Varecia.

entretanto, dado que a riboflavina do cruzamento tem tendência a dissolver-se e sumir, quando é tratada pra investigação histológica, as exceções ainda são questionáveis. As fêmeas têm um metabolismo basal mais baixo, o que ajuda a conservar a energia ao longo da estação seca, no momento em que da inexistência de água e comida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima