1. A Democratização Da Produção 2

1. A Democratização Da Produção

Chris Anderson, (1961), é um jornalista, escritor, cientista, palestrante e editor chefe da revista Wired. Licenciou-Se em física pela Universidade George Washington, e trabalhou como pesquisador no Laboratório Nacional de Los Alamos. Vive em Berkeley, pela Califórnia, EUA, Em um post publicado na Wired, em 2004, cunhou o termo ” cauda longa (do inglês the long tail). Após a boa recepção, desenvolveu as idéias contidas nesse post seminal em um livro homônimo.

Participa assim como em sua difusão por intervenção de teu blog e de tua atividade como conferencista. Para contornar essa restrição (de espaço em prateleira, de semanas em cartaz) a indústria cultural do século XX inventou os hits: aqueles filmes, livros e cds que prometem ao distribuidor uma massa crítica de clientes.

Hits e best-sellers: O negócio era vender muito de alguns produtos. A chamada lei de Pareto, em um ambiente qualquer de cds, 20% dos títulos que geram 80% dos lucros. O resto conformam uma longa tabela de cds que “saem” pouco”. O Wal Mart, como por exemplo, possui um catálogo de 4500 cds por local e pra defender a presença de cada título em suas gôndolas, este necessita vender no mínimo 100.000 cópias por ano. Um espaçoso catálogo, entretanto finito, onde muitas vezes os freguêses se cruzam com centenas de títulos que não são de teu interesse, e partem-se frustrado por não descobrir aquele que estão pesquisando.

Porque o mundo online, onde os custos de armazenamento e distribuição são reduzidas, torna-se mais eficaz o encontro entre a oferta e a procura. Depois de tudo, o Nada, ou quase nada. O mais curioso é que o total de vendas de não-hits em Conjunto, produzem um mercado superior que os hits. A Barnes & Noble fornece 130.000 livros pelo recinto. Mas mais do que 50% da venda da Amazon ocorre além de suas 130.000 “top titles”.

isso É, a cauda longa não é outra coisa que um mercado impensado, aquele que surge quando a distribuição não está restrito pelo espaço e as pessoas podem diversificar seus gostos, além dos hits. Em a cauda longa, discos que antes não eram negócio -ou entravam nos catálogos das gravadoras – nesta ocasião estão gerando enormes ganhos em blogs de venda de músicas, como o iTunes. Agora, existe espaço suficiente para doar tudo a todos. 1. A democratização da criação. 2. A democratização da distribuição.

  • Quatrorze ocorrências que apenas as pessoas que se submergir facilmente entendidas
  • BART: Pai, é com Lisa com quem não se fala
  • Gestão da Qualidade de Produtos e Sistemas
  • Para no momento em que um filme de Chichos
  • Mensagens: 18.857
  • Separa a cobrança de seus custos internos pra indicar privilégios reais

Ebay, youtube, Amazon. 3. A ligação entre oferta e demanda. A partir de sites de busca, RSS, recomendações de usuários, filtros colaborativos, as pessoas são capazes de mergulhar a longa fila de ofertas culturais, aumentar seus gostos e localizar o que estavam procurando. Resumo na Viagem de Ulisses. Resumo sobre a aplicação da hipótese da cauda longa pros meios de intercomunicação.

Isso é, em diversos casos, a tarefa do departamento de Recursos Humanos, mesmo que novas organizações preferem que esta tarefa é praticada pelo departamento de Comunicação . Manter os funcionários por dentro do que ocorre na organização é uma maneira de eliminar a inconsistência, de dar mais tranquilidade. Gerir o dado em momentos de decadência, é em tão alto grau ou mais significativo, visto que desta forma se evitam rumores indesejáveis que, como todo rumor, a repetição realizam com que se tornem realidade. E muitas vezes (pra não manifestar quase todos) os rumores são falsos ou exagerados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima